Glass ceiling e o impacto em mulheres

Um conteúdo em parceria com a Fertilid

Glass ceiling – ou, em português, teto de vidro – é um fenômeno corporativo que impede as mulheres e outras minorias de alcançarem posições de liderança em empresas. Falando especificamente das mulheres, é como se existisse uma barreira invisível que faz com que elas, ainda que plenamente capacitadas, sejam preteridas em promoções de cargos de chefia.

Infelizmente, o glass ceiling ainda é muito comum no século 21 mesmo após tantas conquistas femininas. O grande problema é o fenômeno ser invisível a olho nu, ou seja, não está materializado em processos, mas, sim, em limitações incrustadas na própria cultura da empresa e nas tomadas de decisão de seus líderes. 

Continue a leitura para saber mais sobre o glass ceiling e a sua relação com a maternidade!

Glass ceiling e o impacto em mulheres

Homens e mulheres em cargos de liderança

Embora já tenha existido a propagação de pensamentos antiquados a respeito do tema, há muitos anos já é de conhecimento geral que tanto homens quanto mulheres são aptos para assumirem cargos de liderança nas empresas.

A capacitação para liderar, o conhecimento a respeito do negócio e a facilidade de gerenciamento e relacionamento são as variáveis que definem a competência do(a) profissional, sem que esses fatores estejam atrelados a questões de gênero.

Ainda que tudo isso seja verdade, a realidade é outra. Segundo o levantamento Women in the workplace report, realizado pela LeanIn.Org e McKinsey & Company em 2019, os homens ocupam cerca de 4 vezes mais posições de liderança em comparação com as mulheres. 

No entanto, outro dado contrasta essa realidade: as mulheres são maioria quando o assunto é ensino superior completo, conforme a pesquisa Estatística de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2021.

Então, se as mulheres são preparadas para assumir cargos de liderança e até mesmo mais capacitadas em grau de escolaridade do que os homens, por que a disparidade de gênero nesse tipo de posição corporativa é tão alta? 

É possível atribuir isso a fenômenos como o broken rung, glass ceiling e, especialmente, ao fato de que as mulheres chegam ao momento de ocupar posições de gerência na mesma época em que estão prontas para a maternidade.

Mulheres e maternidade

As mulheres que desejam ser mães encontram dificuldades em alcançar posições de maior destaque nas empresas. Essa preocupação foi confirmada por 94% das mulheres que participaram de um estudo realizado pela Revista Crescer em 2019. Cerca de 36% das mulheres que participaram do mesmo estudo afirmaram que a progressão de suas carreiras foi interrompida quando se tornaram mães.

Para vivenciar a maternidade, as mulheres precisam dedicar tempo, atenção e muita energia ao momento, o que, na visão de algumas empresas, pode acarretar uma redução da produtividade e dos resultados trazidos por elas.

No entanto, a realidade é outra! As empresas que estão dispostas a investir em lideranças femininas, deixando para trás o glass ceiling, podem notar um aumento em seu desempenho. Segundo um estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), publicado pela Revista Exame, as empresas com mulheres líderes apresentam resultados mais elevados em Environmental, Social e Corporate Governance (ESG). 

Dessa forma, fica clara a importância de promover discussões sobre fertilidade, maternidade e sobre o avanço de carreiras femininas, não somente para conquistar a tão sonhada equidade de gênero, mas também para trazer resultados ainda melhores para as instituições que querem transpor as barreiras invisíveis que tanto prejudicam as mulheres.

Além disso, é importante que as empresas se preocupem com a saúde da mulher e com o planejamento familiar, facilitando, assim, o momento da gravidez e da maternidade. 

Para fazer isso, é possível contar com nomes de peso, como a Flash Benefícios e a Fertilid!

A Flash atua com uma solução inovadora em benefícios flexíveis e agora, em parceria com a Fertilid, também oferece acesso ao primeiro autoexame do Brasil focado na saúde dos ovários com desconto exclusivo no aplicativo da Flash para colaboradoras com acesso ao nosso benefício flexível. 

O autoexame não é invasivo e ajuda as mulheres a monitorarem de forma proativa e preventiva a própria fertilidade. Assim, a Fertilid apoia mulheres e pessoas com ovários que, desejam gestar seus filhos, a tomar para si o protagonismo do próprio corpo e suas próprias escolhas para planejar, decidir e vivenciar da melhor maneira possível a gestação e a maternidade. 

Para efetuar o autoexame, basta acessar o site da Fertilid, realizar o pedido e aguardar a entrega em casa. Depois de colhida, a amostra é enviada ao laboratório parceiro e o relatório personalizado fica disponível no site em até 14 dias.

Se você gostou do conteúdo, continue navegando pelo site da Flash e saiba mais sobre benefícios flexíveis e nossos parceiros, como a Fertilid!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.